Garantia da Qualidade nas Calibrações Realizadas pelo Laboratório de Calibração

Garantia da Qualidade nas Calibrações Realizadas pelo Laboratório de Calibração Manômetro (Bimetal)

Garantia da Qualidade nas Calibrações Realizadas pelo Laboratório de Calibração

Rodrigo Cesar de Borba1¹

 ¹Pós-graduado em Engenharia da Qualidade pelo Instituto Superior Tupy - UNISOCIESC.

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Resumo: Na prestação de serviço de um laboratório de calibração, a garantia da qualidade desse processo tem grande importância e impacta diretamente na qualidade das empresas que utilizam esse serviço. Este trabalho desenvolve a aplicação de um ensaio intralaboratorial no Laboratório de Calibração, para avaliar a uniformidade da calibração pelos técnicos que a executam, sendo um dos objetivos identificar quais técnicos encontram-se aptos a continuar a executar do serviço de calibração, pois atualmente é uma das dificuldades encontradas pelos laboratórios conseguir assegurar a garantia da qualidade por todos que executam. Além das análises dos resultados de cada técnico, outras influências foram observadas, trazendo resultados satisfatórios mediante essa aplicação. Como fator imediato, foi possível identificar que a execução entre os técnicos é semelhante, mas detalhes como posicionamento dos instrumentos, zeramento dos padrões antes do início da medição e tempo de espera para estabilização das condições ambientais são influências que impactam em cada operador. Tendo como resultados finais quais técnicos estão aptos para executar tal atividade e quais passarão por novo treinamento. A aplicação deste trabalho, trouxe melhorias documentais como atualizações de procedimentos, buscando a uniformidade nas influências identificadas e melhoria prática na garantia da qualidade, utilizando apenas técnicos que obtiveram resultados satisfatórios.

Palavras-chave: Calibração. Intralaboratorial. Garantia da Qualidade.

 

 Quality Assurance In Calibrations Held By Calibration Laboratory

Abstract: In providing services of a calibration laboratory, quality assurance of this process is very important and directly impacts the quality of the companies using this service. This paper develops the application of an intra-laboratory test in Calibration Laboratory to evaluate the uniformity of the calibration technicians to perform, one of the objectives to identify which technicians are able to continue to perform the calibration service, as is currently one of the difficulties encountered by laboratories able to guarantee quality assurance for all they do. In addition to the analysis of the results of each technical, other influences were observed, bringing satisfactory results by this application. As an immediate factor, it was identified that the implementation of the technical is similar, but details such as positioning of the instruments, zeroing of the patterns before the start of measurement, and waiting time for stabilization influences of environmental conditions that impact each operator. With the final results which technicians are able to perform such activity and which will undergo retraining. The application of this work, brought improvements as documentary procedures upgrades, seeking uniformity in the influences identified and practical improvement in quality assurance, using only technicians who have obtained satisfactory results.

Key words: Calibration. Intra-laboratory. Quality Assurance

 

  1. INTRODUÇÃO

Nos dias atuais, um processo que possui ou deseja ter qualidade, necessita gerar um padrão para todas as etapas que compõem esse processo. Este padrão é composto de vários requisitos que devem tornar sempre objetivo e claro para cada um que o executa. Uma das formas mais fáceis de garantir o cumprimento de cada etapa é a criação de procedimentos operacionais, detalhando cada requisito a ser alcançado.

Porém, normalmente os requisitos a serem atendidos, dependem de instrumentos de medição que mensuram determinada grandeza buscando a garantia da especificação. Apesar dos instrumentos de medição informarem valores de grandezas, como dimensões de comprimento, temperatura, peso, não é garantido que o mesmo está confiável.

Para a garantia da medição, o instrumento deve passar periodicamente por calibração, que é a determinação dos erros que ele está apresentando à uma determinada incerteza de medição. Essa calibração é realizada por um laboratório de metrologia ou calibração, que possui padrões específicos para cada grandeza e realiza comparações com o instrumento buscando determinar seus desvios.

Como calibração também é um processo, o laboratório deve buscar a garantia da qualidade desse processo. Existem diversas formas de garantir que a calibração está sendo executada de forma adequada, como participar de um ensaio interlaboratorial, que é uma rodada de calibração de um determinado instrumento executada por diversos laboratórios, sendo analisado a conformidade dos resultados mediante a uma referência conhecida. Desta forma, garante-se que o método utilizado está adequado, devendo participar novamente em períodos determinados para assegurar a garantia contínua desta calibração.

Um dos problemas encontrados pelos laboratórios de calibração é assegurar a uniformidade na execução do serviço pelos técnicos, sendo difícil mensurar se as diferenças existentes entre eles são aceitáveis e não impactam na garantia da qualidade das calibrações. Para isso foi implementado um ensaio intralaboratorial no laboratório de calibração, que consiste nas mesmas diretrizes de um ensaio interlaboratorial, contudo avaliando a execução ao invés de vários laboratórios, mas sim dos técnicos que executam as calibrações para a empresa em questão, buscando avaliar quais as diferenças entre eles, que podem impactar na garantia da qualidade e quais se tornaram aptos para executar o serviço.

 

  1. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Um laboratório de calibração que busca o atendimento à íntegra da norma ABNT NBR ISO/IEC 17025 (Requisitos Gerais para a Competência dos Laboratórios de Ensaio e de Calibração), necessita criar um sistema de gestão que avalie cada requisito desta norma, utilizando de práticas e documentos que comprovem o seu atendimento. Um dos pontos mais específicos dessa norma é parte técnica, que exige o atendimento de diversos fatores, indo desde o método de calibração selecionado pelo laboratório e como garantir a qualidade exigida pelo método escolhido.

Uma calibração é definida como uma operação que estabelece, sob condições especificadas, numa primeira etapa, uma relação entre os valores e as incertezas de medição fornecidos por padrões e as indicações correspondentes com as incertezas associadas; numa segunda etapa, utiliza esta informação para estabelecer uma relação visando a obtenção de um resultado de medição a partir de uma indicação (VIM, 2012).

Segundo a ABNT NBR ISO/IEC 17025 (2005), o laboratório deve assegurar que a seleção do método de calibração seja apropriada e que consiga atender com exatidão necessária os requisitos desse método, garantindo a validação do mesmo quando não for normalizado por métodos e ferramentas. De acordo com o VIM (2012), procedimento de medição é considerado capaz de fornecer resultados de medição adequados para avaliar a veracidade de medição e valores obtidos a partir de outros procedimentos de grandezas de mesma natureza, em calibração ou caracterização de materiais de referência. Como o laboratório em estudo utiliza o procedimento normalizado para a grandeza de Pressão, por isso a DOQ-CGCRE-008 (2011), diz que o laboratório ao empregar métodos normalizados, necessita demonstrar que possui condições de operá-los de forma adequada, dentro das condições específicas existentes em suas instalações, utilizando de avaliação de parâmetros para garantir sua aplicação.

Além de que o método esteja apropriadamente validado, a entidade deve atender um requisito importante da norma 17025, que é a Garantia da Qualidade de Resultados de Ensaio e Calibração. Nesse requisito, a ABNT NBR ISO/IEC 17025 (2005) afirma que o laboratório tenha procedimentos para avaliação dos resultados de forma a garantir que as tendências sejam detectáveis e técnicas estatísticas devem ser utilizadas para análise crítica, sugerindo ao laboratório a participação de programas de comparação interlaboratorial ou de ensaios de proficiência como prática de controle e caso identificado critérios fora do especificado, ações planejadas deverão ser utilizadas para evitar que resultados incorretos sejam relatados.

Ensaio interlaboratorial define-se por organização, desempenho e avaliação de medições ou ensaios em itens idênticos ou similares por dois ou mais laboratórios, de acordo com condições predeterminadas (ABNT NBR ISO/IEC 17043, 2011). Já o laboratório estará utilizando ensaio intralaboratorial, que molda os princípios de um ensaio interlaboratorial, porém será utilizado para avaliação de técnicos do laboratório e não simplesmente de avaliação entre laboratórios. Validações intralaboratoriais correspondem a estudos analíticos que envolvem um único laboratório, utilizando o mesmo método, para analisar a mesma ou diferentes amostras em um intervalo de tempo justificado (EC, 2002).

 

  1. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Esta pesquisa é um estudo de caso que envolve um processo implementado para buscar a garantia da qualidade das calibrações do laboratório de calibração. Para que fosse possível a realização do estudo, pesquisas foram realizadas buscando técnicas e ferramentas para que fosse possível implementar, identificar e corrigir problemas que o laboratório mencionado possui mediante em seu processo de calibração.

Como o problema a ser estudado era a dificuldade da uniformidade da realização dos técnicos no serviço de calibração e a garantia da qualidade dessas medições, a pesquisa visou a busca de ferramentas que fosse possível analisar esses parâmetros, dentre as ferramentas encontradas, seria a aplicação periódica de ensaios intralaboratoriais, que consiste comparar a execução de cada técnico com uma referência, que pode ser nesse caso, o Gerente Técnico do laboratório.

Na primeira etapa, houve o levantamento das informações necessárias para a aplicação interna no laboratório, relacionando quais técnicos executavam a calibração para a grandeza de Pressão nos instrumentos conhecidos como Manômetro, Manovacuômetro, Vacuômetro e Transmissor de Pressão, visto que era um tipo de calibração com maior execução pelo laboratório. Na sequência, selecionou-se um instrumento dessa grandeza para que pudesse ser o artefato em teste, sendo escolhido um Manômetro com faixa de 0 a 10 bar e resolução de 0,2 bar e de código MPF-001, conforme Figura 1, que tornaria a referência para o ensaio, assim passou por uma calibração utilizando o padrão Calibrador de Pressão, fabricante Presys e de código IP 51, Figura 2, pelo Gerente Técnico da empresa, tornando-se o valor de referência para comparar com os demais técnicos.

 

Figura 1- Artefato de Teste do Ensaio (Manômetro 0 a 10 bar)

 

                       Fonte: Autor (2015)

Figura 2- Padrão Utilizado nos Ensaios (Calibrador de Pressão)

 

                 Fonte: Autor (2015)

 O próximo passo foi uma reunião com todos os envolvidos, detalhando como aconteceria o ensaio intralaboratorial e destacando a importância dessa prática no desenvolvimento da garantia da qualidade das calibrações. Para assegurar que o ensaio não teria conflito de interesse internamente, preparou-se uma bancada dentro do laboratório de calibração deixando disponível o procedimento técnico da calibração de Pressão denominado de PTPR 01, que tem como base a norma ABNT NBR 14105:2013 e um formulário em branco que é citado no procedimento para utilizar nas calibrações da grandeza de Pressão, sendo obrigatória a calibração em 10 pontos mais o ponto zero se houver e dois ciclos crescente e dois decrescente, tendo apenas o executante e o Gerente Técnico dentro do laboratório no momento da aplicação. Após finalizar, o registro era entregue ao Gerente Técnico e um próximo técnico entrava para a execução do ensaio.

Quando todos finalizaram, os registros foram unidos a uma planilha que realizava o cálculo em cada ponto do Erro Normalizado, erro esse que é o mesmo utilizado nos ensaios interlaboratoriais para análises dos laboratórios. No cálculo, o valor do Erro Normalizado deverá ser menor que 1 (um). Para que o técnico se torne apto para a execução desta calibração, todos os pontos medidos deverão ter resultados do Erro Normalizado menor que um e como o Gerente Técnico acompanhou as execuções, seria possível identificar outras influências além dos resultados.

A implementação ocorreu durante o mês de outubro de 2014, passando por todas as etapas de levantamento de informações, reuniões, determinação dos valores Referência, aplicação do ensaio. No início de novembro, as análises dos resultados foram realizadas e determinadas ações para adequação e melhorias do processo.

 

  1. ANÁLISE DOS RESULTADOS

Para a análise dos resultados, os registros gerados e as observações feitas pelo Gerente Técnico são parâmetros fundamentais. Dessa forma a análise será realizada de duas formas, inicialmente em relação aos resultados encontrados por cada técnico, fazendo comparação com um valor de Referência a partir do Erro Normalizado, verificando exclusivamente os valores encontrados e posteriormente a análise sobre as observações registradas pelo Gerente Técnico, que avalia demais situações que envolvem o procedimento e a técnica de medição.

4.1 Análise dos resultados do Erro Normalizado

O ensaio foi executado por oito técnicos, todos utilizando o mesmo procedimento técnico, instrumento de teste e registro de dados. Como critério, somente técnicos treinados para essa calibração poderiam participar, por isso foram apenas oito. Na análise, o cálculo do Erro Normalizado utiliza dos valores da Referência, que no ensaio executado são os valores encontrados pelo Gerente Técnico, obtidos inicialmente com base nos resultados encontrados por cada um. Como no Erro Normalizado há somente dois status, insatisfatório que é valor do cálculo maior que 1 (um) e satisfatório sendo menor que 1 (um). Assim, foi possível encontrar que dois técnicos apresentaram resultados insatisfatório, obtendo valor maior que 1 (um). Técnicos esses que serão denominados aqui de Técnico A e Técnico B.

Na calibração do manômetro que executaram para análise em questão, deveriam ser executados 10 pontos de medição conforme mencionado nos procedimentos metodológicos, adicionando mais um ponto caso o instrumento apresenta-se o ponto zero em sua escala. A análise foi feita ponto a ponto, tendo o Técnico A reprovado apenas no primeiro ponto, que é o ponto zero. O resultado registrado para o ponto zero desse técnico deveria ser a indicação de “0, 000”, mas ao iniciar o processo de calibração acabou esquecendo de zerar o instrumento padrão, como o instrumento padrão estava com uma indicação já pré-setada acabou registrando esse valor e deixando o resultado no cálculo insatisfatório.

O Técnico B realizou a calibração corretamente no primeiro ciclo de medição, mas como o procedimento técnico exigia dois ciclos de medição (dois ciclos de medição na indicação crescente e dois ciclos na medição decrescente), ele acabou executando um ciclo somente. Como não havia valores no segundo ciclo, pelo cálculo do Erro Normalizado ficou como insatisfatório. Não sendo apenas não ter prestado atenção aos procedimentos metodológicos, mas o próprio procedimento técnico de calibração exige a medição em dois ciclos.

Com esses resultados, seis técnicos tornaram-se aptos a executar a calibração e dois inaptos. Os que não foram aprovados possuíam características importantes a serem destacadas, não executam este tipo de calibração frequentemente, aumentando a possibilidade de erro em pequenos detalhes do serviço a ser executado, sendo o Técnico A tendo especialização na área de Físico-Química e o Técnico B especialização na manutenção em equipamentos na área mecânica.

Como a garantia da qualidade nesse processo é de extrema importância para que as diversas empresas que utilizam desse serviço tenho confiabilidade em seus instrumentos, o laboratório de calibração definiu a aplicação do ensaio intralaboratorial a cada quatro meses para atuar sempre na asseguração dos serviços que prestam.

4.2 Análise das observações pelo Gerente Técnico

O Gerente Técnico acompanhou cada técnico na execução da calibração, apenas com o objetivo de encontrar demais influências que poderiam impactar na garantia da qualidade das calibrações além dos resultados registrados na folha de registro. Dessa forma, foi possível verificar que alguns dos técnicos que possuem mais prática não chegaram a visualizar o procedimento técnico e ao momento de registrar as demais informações na folha de registro, acabaram esquecendo alguns detalhes no preenchimento ou preenchendo lacunas que não necessitariam, como dados das condições ambientais do laboratório, temperatura e umidade, que quando executadas dentro do laboratório não devem ser registradas por já possuir controle automatizado.

Como são informações que não impactam no resultado da calibração, mas sim na uniformidade da execução entre os técnicos, foram grifados em cada registro as informações que estavam incoerentes e entregue em reunião para cada um onde erraram e revisado os principais pontos para que nas próximas calibrações tornem-se uniformes nessas questões.

 

  1. CONCLUSÃO

Este trabalho teve uma aplicação em laboratório de calibração que busca a melhoria contínua de seu processo, tendo em vista que a participação de apenas um ensaio interlaboratorial não é totalmente eficiente, visto que a calibração é feita por diversos técnicos, sendo necessário a análise por técnico e não somente por método. A aplicação do ensaio intralaboratorial trouxe uma nova prática que traz ao laboratório uma visão dos caminhos que deve atuar para garantir a qualidade das calibrações que executa.

Os objetivos propostos inicialmente foram alcançados com grande prestígio, pois todos que participaram dessa atividade tornaram-se ainda mais importantes no processo da empresa, ficando mais evidente que a área e a atividade que desenvolvem exige qualificação técnica necessária, além de atenção e cumprimento de todas as definições estabelecidas pelo processo da empresa como nos procedimentos técnicos existentes.

Como foi possível mensurar as principais influências que poderiam impactar na garantia da qualidade das calibrações e identificar quais técnicos estão aptos, fez com que os técnicos buscassem aprimoramento das suas atividades e da empresa em definir planos de treinamentos anuais como forma de revisão e manutenção da qualidade dos serviços que prestam.

Para ação imediata, realizado novo treinamento para as pessoas insatisfatórias nessa atividade, como forma de reciclagem e buscando objetividade nos erros de cada um, incluindo a parte teórica e prática dessa atividade. Executada nova rodada de ensaio intralaboratorial para verificar se a partir do novo treinamento conseguiriam estar aptos dessa vez. Como resultados, ambos acabaram sendo satisfatórios na conclusão.

Além da grandeza atuada, será implementado para as demais grandezas que o laboratório executa, como Acústica, Dimensional, Dureza, Elétrica, Força, Massa, Óptica, Físico-Química, Tempo, Frequência, Temperatura, Torque, Vazão e Volume. Mostrando que além de uma melhoria que já trouxe resultados, para o futuro trará ainda mais benefícios para o sistema de gestão da qualidade.

 

Agradecimentos

Agradeço à minha família que me apoiou desde o início da minha jornada estudantil e em todas as que virão. Como também ao Laboratório de Calibração, por além do crescimento profissional que já adquiri fazendo parte dessa equipe e nos resultados alcançados nas práticas de gestão da qualidade implementadas.

 

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO/IEC 17025: Requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaio e de calibração. Rio de Janeiro, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 17043: Avaliação da conformidade — Requisitos gerais para ensaios de proficiência. Rio de Janeiro, 2011.

DOQ-CGCRE-008. Orientação sobre Validação de Métodos Analíticos. Rio de Janeiro, 2011.

EC (European Commission). Commission decision 2002/657/EC of 12 August 2002: Implementing Council Directive 96/23/EC conceming performance of analytical methods and the interpretation of results. Official Journal of the European Communities, 2002.

VIM. Vocabulário Internacional de Metrologia: Conceitos Fundamentais e Gerais e Termos Associados. Rio de Janeiro, 2012.

 

 

Missão

Promover a confiança metrológica buscando harmonizar as relações de consumo, de inovação e de competitividade.

Visão

Ser referência até 2020 na promoção da confiança metrológica

Valores

  • Desenvolvimento metrológico;
  • Ética;
  • Inovação;
  • Conhecimento;
  • Confiança;
  • Associativismo.